23 de abril de 2016

Cozinha da Bruxa 02: Hamamélis


HAMAMÉLIS
Hamamelis virginiana

Também conhecida como hamamelia e aveleira de bruxa
Embora todas as suas partes sejam usadas para os fins medicinais, sendo muito empregada na fitoterapia e na homeopatia, a hamamélis é comumente conhecida para remédios de pele, por sua ação adstringente.
Além dessa atuação, esta planta também possui ação anti-inflamatória, anti-viral, antioxidante, descongestionante, tônica, vasoconstritora e anti-hemorrágica.
É muito indicada para hemorroidas, tendo seu princípio ativo presente e vários medicamentos para este fim;
Sua ação anti-viral e anti-inflamatória também favorece o tratamento de herpes simplex.
Pode ser encontrada na forma de cápsulas, chás, cremes, pomadas, folhas secas, tintura, dentre outras.
A hamamélis, como dito, é conhecida como Witch Hazel – numa tradução livre, aveleira de bruxa, o que a torna uma planta muito mística, embora poucos saibam disso.
Historicamente, todos conhecem a história da varinha de bruxa, não é?!
Pois bem, de acordo com alguns estudos – que inclui o famoso tratado de magia da Idade Média, A Clavícula de Salomão – a varinha ideal deveria ser feita de madeira de avelaneira cortada com apenas um golpe de machado.
Essa ideia se difundiu tanto, na época, que a hamamélis, ou aveleira de bruxa, passou a ser extremamente usada na confecção de varinhas.
Dentre as ações mágicas desta planta, posso destacar para vocês: banimento, proteção e fortalecimento contra ataques mágicos, mau olhado, o mal, em geral... Ela combate o inimigo.
Nesse sentido, não é interessante notar que ela, medicinalmente também combata os inimigos do corpo, por suas ações anti-inflamatória, antioxidante, descongestionante e anti-viral?
Pois é...
Além disso, a aveleira de bruxa é uma planta muito associada aos ancestrais, aos nossos protetores invisíveis.
Por isso, uma boa pedida é queimá-la no incenso na noite dos ancestrais (Samhain).
Você pode, também,oferecer suas flores e avelãs aos antigos que já partiram, coloca-las no seu altar, na noite de celebração, e depois confeccionar amuletos ou incenso de proteção, presenteando seus ascendentes vivos.
Quer proteção, força e contato com os ancestrais e amigos invisíveis?
Hamamélis é uma excelente opção.
Um beijo,
Lua Serena.
Bibliografia:
- Apostila do Curso Formação em Fitoterapia do Instituto Mãe Terra
- História das Ervas Mágicas e Medicinais, de Mar Rey Bueno
- tuasaude.com

6 de novembro de 2015

ESP - Encontro Social Pagão no Vale do Paraíba

Queridos amigos do Vale do Paraíba,
O ESP (Encontro Social Pagão) é um encontro que acontece todo mês, há mais de dez anos, em praticamente todos os Estados da Federação, de cunho totalmente gratuito e com o objetivo de fomentar troca de ideias e novas amizades no meio pagão.

Agora, o ESP está de volta no Vale do Paraíba!
Quem tiver interesse por quaisquer vertentes do Paganismo/Neopaganismo e quiser acompanhar as datas e temas dos encontros, entrem no grupo do facebook sobre o evento aqui no Vale do Paraíba e sejam bem-vindos!
Acessem o link:

Reflexões pagãs sobre orgulho, humildade, respeito, caridade, perdão...




Conversando com um amigo, surgiu a vontade de gravar um vídeo sobre reflexões sobre o despertar e a necessidade de refletirmos sobre o que realmente são esses conceitos de orgulho, humildade, respeito, caridade, perdão...

28 de setembro de 2015

Despertar - Semente Ancestral



Semente Ancestral em treino de uma noite de primavera. Mágica noite em que nos conectamos com Varuni e Varuna Emoticon heart


Música: Despertar
Por: Lua Serena
No centro do círculo vou despertar (2x)
Eu vou
Despertar eu vou
O centro deste círculo eu sou (2x)

20 de fevereiro de 2014

REFLEXÕES PARA QUEM DESEJA O CAMINHO SACERDOTAL

Da série "Aprendendo a ser sacerdotisa"

Por Lua Serena


Uma das tarefas mais importantes que um sacerdote deve aprender a desempenhar é de assumir seus erros (sim, sacerdotes erram) e, ato contínuo, consertá-los (assumir é SÓ o primeiro passo. Vc tem que consertar).

Porém, quando você faz isso àqueles que estão sob sua orientação, aprenda a compreender também a cura deles, pois pode acontecer de algumas pessoas utilizarem o fato de vc (Oh, my god!!!) ser humano, se equivocar e admitir, para de alguma forma demonstrar que estão subindo, crescendo no caminho. 

Apontar o erro do professor (especialmente o erro que ele mesmo admitiu) é uma característica típica daqueles que ainda precisam de autoafirmação. 

Como professor num caminho sacerdotal, o que vc faz?
Você não joga o jogo dele, você joga o jogo dos Deuses.
Você dá amor, você orienta.
Você ensina mais a ele quando não fomenta a discussão, quando não rega a semente da competição.
Você ensina mais quando não deixa seu ego falar mais alto e dizer quem manda na casa.
Você ensina sendo o que deve ser, o lado sábio.

Nesse ensinamento reside a explicação do por quê de muitos sacerdotes nunca admitirem seus erros e arrumarem justificativas e subterfúgios para tais... eles temem serem confrontados, temem mostrar sua fraqueza (ou natureza?) com medo da perda da posição, com medo do julgamento daqueles para os quais ele deveria ser perfeito.

Assim nasce a semente do pseudo sacerdote...

Preste atenção em como você conduz essas questões em seu grupo, pois tudo isso não só definirá o rumo de seu grupo, como o rumo que o seu sacerdócio levará.

Acostume-se a ser quem você é e exercite a tolerância para com aqueles que te atacarão por você ser, antes de um sacerdote, humano.